Conecte-se conosco

Mundo Geek

The Punisher: como o anti-herói pode aparecer no MCU?

Publicado

em

[ad_1]

Frank Castle, também conhecido como The Punisher (ou Justiceiro em português), ainda não apareceu no MCU. Assim, é bem provável que a Marvel esteja preocupada com o fato do personagem não ser uma boa opção para a marca. No entanto, o personagem ainda é muito popular e com três longas-metragens e duas temporadas de uma série original da Netflix, os fãs estão se perguntando quando ele voltará à forma de ação ao vivo, mesmo que os quadrinhos estejam definhando. Com o Demolidor e Rei do Crime  oficialmente no cânone do MCU, todos querem saber se o anti-herói também aparecerá e de que modo.  O medo dos fãs é que a Marvel reinicie o Justiceiro como um herói diluído no MCU ou o ignore completamente. Mas nenhuma dessas opções faria justiça ao personagem.

Veja também tudo o que sabemos sobre o futuro do Demolidor no MCU!

Criado em 1974 por Gerry Conway e os artistas John Romita Sr. e Ross Andru, o Justiceiro apareceu pela primeira vez em ‘The Amazing Spider-Man #129’. Nessa edição, ele tentou matar o Homem-Aranha.  Frank Castle é um vigilante determinado a “punir” criminosos depois que sua família é morta no Central Park. Desde sua estreia, o Justiceiro se tornou um personagem básico da Marvel, reconhecido em todo o mundo, principalmente por meio do crânio simbólico em seu peito. Em forma de quadrinhos, o Justiceiro apareceu em mais de 500 edições de quadrinhos autointitulados e apareceu em centenas de títulos cruzados com outros personagens da Marvel. Além disso, o personagem apareceu em vários romances gráficos originais, especiais e títulos de eventos também. 

The Punisher: como o anti-herói pode aparecer no MCU? – Foto: PL MAS

O Justiceiro ganhou adaptação para live-action em três oportunidades. Assim, a primeira adaptação foi ‘O Justiceiro’ de Dolph Lundgren em 1989. Já a segunda adaptação foi em ‘O Justiceiro’ de Thomas Jane em 2004. Por fim, vimos o anti-herói em ‘O Justiceiro: Em Zona de Guerra’ de Ray Stevenson em 2008. Mas nenhum desses empreendimentos foi particularmente lucrativo e não conseguiu mover a agulha na captura da essência do personagem em ação ao vivo.

No entanto, The Punisher recebeu a sua própria série da Marvel na Netflix em 2017 depois de fazer sua estreia na 2ª temporada de ‘Demolidor’. Interpretado por Jon Bernthal, ‘O Justiceiro’ também teria uma 2ª temporada, antes de ser cancelada (junto com todos os programas da Marvel na Netflix). Tem sido muitas vezes considerado como a encarnação mais bem sucedida do personagem em live-action até hoje, apesar de algumas críticas. No entanto, o Justiceiro também sofreu em seu meio de origem, com todos os títulos atualmente cancelados e com o pensamento de que a Marvel subjugou o personagem devido ao clamor pelo uso não aprovado do símbolo na aplicação da lei, especialmente durante os últimos anos de agitação social.

The Punisher: como o anti-herói pode aparecer no MCU? - Foto: DB MAS
The Punisher: como o anti-herói pode aparecer no MCU? – Foto: DB MAS

Agora que o Demolidor está oficialmente validado no cânone do MCU (aparecendo em ‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa ), o Justiceiro também pode dar esse salto, mas para honrar o personagem e seu legado, a Marvel precisa abraçar a sua identidade e retratá-lo como o anti-herói que ele é, em vez de tentar torná-lo um super-herói mocinho. Assim, o Justiceiro é um personagem da Marvel com classificação +18. A sua natureza sombria e violenta deve aparecer sem sacrificar os padrões do estúdio ou a integridade da marca, o que significa encontrar o equilíbrio certo para um personagem como Frank Castle no MCU.

O Justiceiro nasce do ódio, violência e vingança – Não o heroísmo

The Punisher: como o anti-herói pode aparecer no MCU? - Foto: SR MAS
The Punisher: como o anti-herói pode aparecer no MCU? – Foto: SR MAS

O Justiceiro não pretende ser um herói e não deve aparecer como um. Ele é um homem dilacerado pela tragédia e uma história de violência, movido por uma necessidade insaciável de vingança, pura e simplesmente. Embora a Disney tenha adaptado vilões animados em filmes solo, como ‘Malévola’ e  ‘Cruela’, eles tendem a torná-los “heróicos” no final – mas não é isso que o Justiceiro é. Na verdade, desafia o que o faz funcionar completamente. O Justiceiro deve ser preservado como alguém que desafia o regime de super-heróis do MCU, não como alguém que procura se juntar a eles.

Tentar transformar o Justiceiro em um herói do MCU seria um tremendo erro. Isso vai contra sua própria natureza. Ele não é um cara legal ou um herói ou um salvador. O Justiceiro é a morte, veio para punir os ímpios por seus crimes contra a humanidade. Ele é um anti-herói e deve permanecer como tal. O aspecto-chave de seu personagem, que todos os retratos de ação ao vivo ainda precisam entender, é que o que torna o Justiceiro tão atraente é que ele é inabalável em sua essência quando se trata de sua missão. Ele é uma força implacável que não pode ser dissuadida do trabalho de sua vida, não importa o que ocorra.

O símbolo do Justiceiro precisa ser retomado

The Punisher: como o anti-herói pode aparecer no MCU? - Foto: SR MAS
The Punisher: como o anti-herói pode aparecer no MCU? – Foto: SR MAS

O Justiceiro e sua simbologia devem ser abraçados, não subjugados. É isso que parece estar acontecendo em seu futuro nos quadrinhos da Marvel. O personagem deve abordar como seu símbolo foi adotado pela aplicação da lei e quão errado isso é, mas não deve mudar seu uso dele. Em última análise, o Justiceiro precisa retomar a propriedade de sua simbologia daqueles que abusam dela, a interpretam mal ou a adotam sob uma condição diferente da qual ele a usa. 

O símbolo do Justiceiro é um “memento mori”: um lembrete da morte, bem como um meio de incutir medo nos corações e mentes daqueles que ele persegue. Assim como a escolha de Batman de se vestir como um morcego, o Justiceiro usa a caveira para estabelecer sua própria presença, não como um símbolo a ser amplamente usado por toda e qualquer organização que ache que “parece legal”. Além disso, também tem um significado funcional: destina-se a atrair fogo para sua armadura quando está em um tiroteio acalorado. Em última análise, é o símbolo de Frank Castle, usado para seus próprios propósitos e dispositivos, que deve estar firmemente estabelecido no MCU, sem deixar dúvidas sobre a quem pertence.

O Justiceiro não é um super-herói

The Punisher: como o anti-herói pode aparecer no MCU? - Foto: SR MAS
The Punisher: como o anti-herói pode aparecer no MCU? – Foto: SR MAS

Estrelas convidadas de todo o MCU não são necessárias para contar a história do Justiceiro. No máximo devemos ter personagens de nível de rua, como Demolidor ou Rei do Crime. O Justiceiro tem um rico catálogo de personagens coadjuvantes nos quadrinhos, de rivais a aliados. Isso ajudaria a defini-lo e separá-lo de ser alinhado como um “super-herói” no MCU e, em vez disso, explorar sua própria gama diversificada de histórias e personagens de décadas de narrativa nos quadrinhos. 

Frequentemente, os cineastas de ação ao vivo selecionam as histórias de Garth Ennis que são ótimas. No entanto, eles ignoram os muitos anos e edições de quadrinhos com uma incrível variedade de personagens, bons e ruins, que fazem parte da jornada do Justiceiro. Este é um erro enorme (e preguiçoso) dos responsáveis ??por suas aparições em live-action. E, embora o Justiceiro tenha se unido a heróis de tempos em tempos, é sempre um esforço temporário que termina no entendimento de que o Justiceiro, para a maioria dos heróis, é um vilão aos olhos deles e deve ser parado. É assim que deve ser, pois os métodos do Justiceiro nunca (e nunca devem) mudam, pois isso iria contra a essência de toda a sua identidade.

O Justiceiro tem vilões ricos que o MCU pode usar

The Punisher: como o anti-herói pode aparecer no MCU? – Foto: SR MAS

Ao longo de seus quadrinhos, o Justiceiro construiu um enorme catálogo de bandidos que daria vilões convincentes em uma adaptação de ação ao vivo. Garth Ennis criou algumas ameaças coloridas e distorcidas ao Justiceiro, incluindo Russo, Barracuda, Nicky Cavella, Ma Gnucci, Hector Redondo, Bushwacker, Sniper, Hitman, Shotgun e etc. Há os vilões compartilhados como Rei do Crime e o Mercenário. Assim, as adaptações ainda nem sequer arranharam a superfície da galeria de vilões do Justiceiro. Inclusive, elas frequentemente voltam ao seu mais conhecido, o Retalho. Dessa forma, o MCU tem a porta aberta para explorar alguns grandes e perversos adversários.

O Justiceiro pode ser sombrio no MCU sem ser excessivo

The Punisher: como o anti-herói pode aparecer no MCU? – Foto: SR MAS

A reação mais comum à adaptação do Justiceiro ao MCU é que ele é muito violento. Assim, afetaria a tarifa padrão de +13 da Marvel, já que eles nunca fizeram um filme com classificação +18. Mas o Justiceiro não existe em um mundo de apenas +13. O ideal é que o seu futuro no MCU se passe no Star Plus. Neste serviço ele poderá ser “desequilibrado”. Inclusive, isso já é o caso de alguns outros programas, como Hit Monkey, M.O.D.O.K. e Legion . No entanto, ter um show live-action do MCU no Star+ pode ser confuso para os espectadores e contraproducente para a Marvel / Disney.

O truque, então, é encontrar uma maneira de abraçar a natureza violenta e sangrenta de um personagem como o Justiceiro sem levá-lo para as ligas do excesso, o que já foi feito com personagens como Ronin e John Walker / Agente Americano, bem como meios mais extremos com ‘Logan’ e ‘Deadpool’ da Fox. É hora da Disney abraçar o legado do conteúdo que eles têm. Bom gosto, estilo e ousadia deve ser a chave na adaptação da natureza violenta e sangrenta do Justiceiro. Assim, eles encontrarão uma maneira de equilibrar a escuridão com o apelo dos quadrinhos com a marca Marvel. 

Pode não ser fácil, mas apresentar The Punisher no MCU de forma adequada pode ser feito, e isso mostraria que a Marvel tem mais interesse em retratar seus personagens como deveriam ser retratados, em vez de dilui-los para consumo em massa.

Gostou? O que achou? Deixe seu comentário. Além disso, não se esqueça de entrar no nosso grupo do Telegram. É só clicar em “Canal do Telegram” que está localizado no canto superior direito da página!

[ad_2]

Fonte da Notícia: geekblog.com.br

Mundo Geek

O que levou Elon Musk a desistir do Conselho do Twitter? 4 hipóteses

Publicado

em

[ad_1]

Na noite de domingo (10), Parag Agrawal, presidente-executivo do Twitter, disse que o bilionário sul-africano Elon Musk, dono da Tesla e da SpaceX, desistiu de fazer parte do Conselho de Administração da rede social.

Ainda que o motivo oficial da desistência não tenha sido dito, o fato é que Musk deixa de ter poder de decisão direto, mesmo sendo o principal acionista da plataforma, com 9,2% das ações.

O site Next Web listou alguns dos possíveis motivos que explicam a decisão. As hipóteses envolvem desde mais liberdade para tuitar até a possibilidade de comprar ainda mais ações da companhia.

Mais liberdade para tuitar

Na carta de Agrawal sobre a desistência de Musk, ele cita que o empresário teria de “agir pelos melhores interesses da companhia e de todos os seus acionistas”.

Na prática, isso quer dizer que Musk teria de ser menos controverso no Twitter.

Por diversas vezes, o empresário se definiu como um “absoluto defensor da liberdade de expressão”. No entanto, a partir do momento que seus tuítes podem causar algum tipo de transtorno à rede social e aos seus acionistas, talvez ele tenha considerado que poderia perder sua autonomia para comentar qualquer assunto que desejasse.

“Análise de precedentes”

Ao anunciar que Musk desistiu do Conselho de Administração do Twitter, o presidente-executivo da companhia disse que o bilionário teria de passar por uma “verificação de antecedentes”. O Next Web especula que talvez Musk não tenha passado nesta análise.

Em 2018, o empresário fez uma piada no Twitter dizendo que ia tornar a Tesla uma empresa de capital fechado. A SEC, a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA, não achou graça e multou a companhia.

Na sequência, o empresário deixou a presidência da Tesla e alguns dos seus tuítes sobre a companhia passaram a ser analisados previamente por advogados.

Funcionários ficaram apreensivos

Após a notícia de que Musk iria fazer parte do Conselho Administrativo, funcionários mostraram preocupação, mencionando que o empresário poderia enfraquecer políticas sobre conteúdos abusivos e perigosos na rede.

Além disso, o bilionário tem um histórico de silenciar críticos com ameaças legais. Na Tesla, por exemplo, um funcionário foi processado por postar no YouTube detalhes no modo de condução autônoma de um veículo.

Musk também já demitiu quem não concorda com ele, segundo registrado no livro-reportagem “Power Play: Tesla, Elon Musk, and the Bet of Century” (não lançado no Brasil), de Tim Higgins, repórter do Wall Street Journal.

Mais ações

Uma das condições para Musk fazer parte do Conselho era que ele só podia ter até 14,9% da companhia.

Agora que não fará mais parte do Conselho, ele poderá comprar o quanto quiser de participação do Twitter, tendo apenas influência indireta na plataforma.

*Com informações do site The Next Web

[ad_2]

Fonte da Notícia: www.uol.com.br

Continue Lendo

Mundo Geek

Equipe de ‘Ms. Marvel’ deixa vazar suposta foto que pode confirmar continuação

Publicado

em

[ad_1]

Um integrante da equipe de produção de ‘Ms. Marvel’, nova série do Disney+, pode ter deixado claro que a empresa de streaming pretende lançar uma 2ª temporada da série – mesmo que a 1ª ainda não tenha chegado à plataforma. Segundo o site ‘The Direct’, Patrick Favo da Marvel postou uma imagem de uma taça decorada com um gráfico do título do programa em comemoração aos ganhos da equipe. Até aí estaria tudo bem. Mas o detalhe estava na frase “Temporada 1”, que segundo especulações pode indicar que esta não é uma série limitada. Assim, a imagem foi deletada logo em seguida.

Veja também tudo o que sabemos sobre a série ‘Ms. Marvel’!

Criado em 2014, nas páginas de ‘Ms. Marvel #1’, Kamala Khan é uma adolescente muçulmana que é fã dos heróis e que desenvolve poderes após descobrir que tem parte de DNA desumano. Com isso, a menina ganha a capacidade de mudar a forma do corpo – o que lhe confere poderes elásticos, além de poder mudar até mesmo a aparência quando necessário. Mais tarde, como um alter ego, ela adotou o nome de “Ms. Marvel” em homenagem à Capitã Marvel (Carol Danvers, interpretada por Brie Larson), de quem é super fã.

Inclusive, interpretada por Iman Vellani, Miss Marvel deve aproveitar a expansão desmedida do MCU e se juntar à Capitã Marvel na próxima sequência da heroína: “Capitã Marvel: The Marvels”.

Equipe de ‘Ms. Marvel’ deixa vazar suposta foto que pode confirmar continuação! – Foto: MT MAS

A série chega em junho

Com exceção de ‘Loki’ e ‘What If…’, todas as séries da Marvel produzidas pela Disney foram temporadas únicas. Se uma 2ª temporada de ‘Ms. Marvel’ realmente se concretizar, pode indicar mais conteúdo para mostrar o caminho da personagem de Carol Danvers (Capitã Marvel), já que as duas desenvolvem uma relação quase mãe-filha, dependendo do foco da série.

Por fim, ‘Ms. Marvel’ vai estrear no Disney Plus quarta-feira, 8 de junho. Além disso, não se sabe se a estreia de 8 de junho consistirá em um ou vários episódios. No entanto, espera-se que a série de seis episódios lance novos episódios nas quartas-feiras subsequentes após a sua estreia. 

Equipe de ‘Ms. Marvel’ deixa vazar suposta foto que pode confirmar continuação!

Gostou? O que achou? Deixe seu comentário. Além disso, não se esqueça de entrar no nosso grupo do Telegram. É só clicar em “Canal do Telegram” que está localizado no canto superior direito da página!

[ad_2]

Fonte da Notícia: geekblog.com.br

Continue Lendo

Mundo Geek

5 perguntas e respostas para entender o metaverso

Publicado

em

[ad_1]

Por enquanto, o metaverso segue como uma tecnologia mais debatida do que, de fato, experimentada. Mas acredite: esse conceito de um espaço virtual, com representação digital de itens e pessoas, onde poderemos interagir de maneiras nunca imaginadas, está cada vez mais próximo.

Isso porque duas gigantes já estão empenhadas nessa nova realidade (virtual): a Meta, que controla as principais redes sociais do mundo, e a Microsoft.

A primeira já tem o headset Oculus, e a segunda tem o Hololens. Ambas acumulam bilhões de usuários. Facebook, Instagram e WhatsApp contam com pelo menos 1 bilhão cada, enquanto a Microsoft tem o Office, um dos programas para escritório mais usados no mundo.

E tem mais cachorro grande ensaiando entrar na briga. A Apple usa filtros em videochamadas há um tempo e tem planos de ter seu próprio óculos de realidade virtual. E o Google tem a divisão Labs, com vários experimentos em realidade aumentada.

Mas, se você quiser uma prévia, nem precisa ir tão longe: é só ligar seu videogame (ou seu celular). Jogos como Free Fire, Fortnite e Minecraft já são uma espécie bem-sucedida de metaverso.

Ao entrar nestes “mundos fechados”, cada pessoa escolhe um avatar para navegar naquele mundo digital, em que é possível comprar itens, como roupas e armas. A interação é toda feita por uma tela e não é possível transitar entre esses diferentes universos.

Como o metaverso será usado?

O que as companhias Big Tech vislumbram é uma combinação de elementos de tecnologia (como realidade virtual, realidade aumentada e vídeos) que permitirá às pessoas existir em um ambiente digital com uma ampla liberdade de movimentos, escolhas e interações. É como se as pessoas estivessem “dentro da internet”.

Por exemplo: hoje em dia, você faz uma chamada de vídeo pelo smartphone para falar com seu amigo. Sua interação toda é basicamente com uma tela equipada com uma câmera.

Em um futuro próximo, você poderá usar um par de óculos de realidade virtual para acessar o metaverso e bater um papo com um holograma realista do seu melhor amigo, com direito até a linguagem corporal.

O ambiente dessa conversa poderia ser uma representação 3D da sua casa ou algum local de sua preferência, como uma praia no Havaí.

Avatares ultrarrealistas demonstrados pela Meta durante conferência Connect 2021

Imagem: Reprodução/Facebook

Por que o metaverso ainda “não pegou”?

Isso ainda está longe de ser factível em grande escala. Atualmente, óculos de realidade virtual são caros e podem causar tontura nas pessoas, por exemplo.

Também não há sistemas de captação de imagem 3D de alta qualidade facilmente acessíveis. Em uma de suas apresentações, a Meta afirmou que as tecnologias necessárias para “este novo mundo digital” demorarão de 5 a 10 anos para se tornarem realidade.

Quais serão os impactos do metaverso?

Ele tem potencial de mudar vários aspectos da experiência humana, especialmente aqueles que dependem de interação e acesso a informação.

Por exemplo, na educação: imagine o aluno “se teletransportando” para o espaço e vendo, de perto, os detalhes de um planeta. Ou na atividade física: pense em você mesmo fazendo bicicleta ergométrica em um cenário virtual, altamente realista, ao lado de pessoas de outros países.

O interesse de grandes empresas também se justifica pelo potencial financeiro do metaverso. Nossa experiência de comércio poderá ser toda transportada para um ambiente virtual: você seleciona em um supermercado digitalizado, e a encomenda é enviada ao seu endereço no mundo real.

Mas mesmo o comércio de itens exclusivamente digitais também será intenso. Hoje, ele já representa um novo modelo de negócio nos games: os jogos são de graça, mas as empresas ganham (muito) dinheiro vendendo roupas para o jogador customizar seu avatar ou itens para facilitar seu avanço.

O que as empresas já criaram para o metaverso?

A Microsoft, por exemplo, anunciou recentemente o Mesh for Teams, um sistema de avatar na sua plataforma de comunicação. Em vez de aparecer na câmera ao vivo, uma pessoa pode usar um filtro de sua escolha para interagir.

A Meta tem o Horizon Worlds, uma ferramenta, ainda em desenvolvimento, que permite que programadores criem mundos virtuais. A companhia de Mark Zuckerberg também divulgou uma parceria com a Microsoft, para que usuários do Teams possam acessar reuniões com o Workplace (a ferramenta de comunicação empresarial da Meta) e vice-versa – como uma espécie de integração de dois mundos fechados.

Tudo indica que esses ambientes profissionais virtuais serão um dos primeiros usos práticos do metaverso em larga escala. Promover o contato entre funcionários, em espaços controlados e estimulantes, virou uma demanda poderosa após a pandemia e a consolidação do home office.

O metaverso é um sucesso garantido?

Ainda é cedo para saber se essa imersão prometida vai ser bem aceita pelas pessoas. Também não sabemos os tipos de problemas que ela irá nos proporcionar. Imagine alguém roubar seu avatar e se passar por você, como já acontece em golpes via WhatsApp?

Em qualquer projeto de inovação (especialmente em algo tão radical), o fator humano é sempre o mais imprevisível. Mas, do ponto de vista teórico, tecnológico, financeiro e comercial, o metaverso é uma realidade iminente – e inescapável.

Não, não é só uma forma de a Meta desviar a atenção das pessoas para ninguém mais mencionar os males causados pelas redes sociais, denunciados no escândalo dos Facebook Papers. O metaverso deve chegar de mansinho, e quando menos perceber, estaremos dentro dele.

[ad_2]

Fonte da Notícia: www.uol.com.br

Continue Lendo

Em Alta